Condomínio pode adjudicar (receber) o imóvel por conta do débito.

Giovani Duarte Oliveira –

Durante muito tempo esse entendimento foi questionado, pelo fato de o condomínio não estar elencado no rol do Artigo 44 do Código Civil, que assim relaciona: Artigo 44: São pessoas jurídicas de direito privado: I – as associações; II – as sociedades; III – as fundações. IV – as organizações religiosas; V – os partidos políticos; VI – as empresas individuais de responsabilidade limitada. Por outro lado, aquele entendimento sempre foi confrontado pelo entendimento de que havendo legitimidade ativa para requerer judicialmente os débitos que são de sua titularidade, a impossibilidade de adjudicação do bem que deu origem ao débito trata-se de uma conseqüência lógica, pois se não vender em leilão, não há outra saída, caso o devedor não tenha outros bens passiveis de penhora. Vejamos o argumento favorável que está insculpido no Artigo 63, §3º, da Lei 4.591/64 que assim defende: Artigo 63. É lícito estipular no contrato, sem prejuízo de outras sanções, que a falta de pagamento, por parte do adquirente ou contratante, de 3 prestações do preço da construção, quer estabelecidas inicialmente, quer alteradas ou criadas posteriormente, quando for o caso, depois de prévia notificação com o prazo de 10 dias para purgação da mora, implique na rescisão do contrato, conforme nele se fixar, ou que, na falta de pagamento, pelo débito respondem os direitos à respectiva fração ideal de terreno e à parte construída adicionada, na forma abaixo estabelecida, se outra forma não fixar o contrato. § 3º No prazo de 24 horas após a realização do leilão final, o condomínio, por decisão unânime de Assembléia-Geral em condições de igualdade com terceiros, terá preferência na aquisição dos bens, caso em que serão adjudicados ao condomínio. Assim, com esse artigo da Lei dos Condomínios e com o entendimento acima descrito, sobre a legitimidade para promover a ação de cobrança, demonstrado que pode fazer a adjudicação do bem levado a leilão para saldar os débitos condominiais, claro, desde que tenha decisão unânime da Assembléia-Geral e em condições de igualdade com terceiros. Conforme já observado por nosso escritório Giovani Duarte Oliveira Advogados Associados, em outros artigos jurídicos, a legislação muitas vezes parece favorecer o devedor, no entanto, encontramos sempre o contrário também, pois a dificuldade antes enfrentada por condomínios para fazer a adjudicação do bem-devedor fazia com que o devedor estivesse estacionado no processo, enquanto que assim, muitas vezes se força a quitar o débito para não ver o imóvel ser entregue ao próprio condomínio para cobrir os débitos gerados. O importante é que o condomínio seja registrado e que tenha seu CNPJ, para que tenha a legitimidade aqui descrita, para atuar em juízo para busca de seus créditos.

Giovani Duarte Oliveira

Advogado, Especialista em Direito Processual Civil, Especialista em Gestão Estratégica de Empresas

    SEU NOME

    SEU TELEFONE

    SEU E-MAIL

    ASSUNTO

    MENSAGEM

    Validação Captcha
    captcha

    Rua Defendi Casagrande, 82 - São Cristóvão,

    Criciúma - SC - CEP 88802-600

    Telefone: (48) 3433-0123

    Whatsapp: (48) 3433-0123

    Telefone: (48) 3433 0123

    Desenvolvido por Blueberry - Marketing Digital

    Giovani Duarte Oliveira Advogados Associados © Todos os direitos reservados